O curso de graduação em Ciências Econômicas começou a funcionar em 1945. Sediado atualmente na Faculdade de Ciências Econômicas, no campus Pampulha, o curso tem duração de quatro anos e recebe semestralmente 40 alunos. O curso de graduação em Ciências Econômicas é dirigido por um Colegiado de Coordenação Didática

Sobre o curso

A formação teórica do aluno de Ciências Econômicas da UFMG é privilegiada. Cerca de 80% da grade curricular é composta por disciplinas obrigatórias, que abrangem teoria econômica (microeconomia, macroeconomia, economia política, etc.), história econômica e história do pensamento econômico, além de uma sólida base em métodos quantitativos (matemática, estatística e econometria).

O curso tem como objetivo permitir que o aluno adquira os conhecimentos necessários para entender, interpretar e intervir na realidade sócio-econômica, dominando as técnicas e teorias que possibilitem uma atuação competente em uma grande variedade de atividades profissionais.

Avaliação do curso

No último Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), realizado em 2018 o curso alcançou a nota 5 (nota máxima). Com esse resultado o curso de Ciências Econômicas da UFMG se tornou um dos únicos cursos do país a obter nota máxima em quatro avaliações consecutivas (2009, 2012, 2015 e 2018). Nesta área, dos 185 cursos  avaliados, apenas oito foram contemplados com a nota máxima.

O curso também foi avaliado com nota máxima pelo Guia do Estudante Abril e como melhor curso de universidades federais, segundo melhor curso de universidades públicas e quarto lugar nacional pelo Ranking Universitário Folha (2019). Neste ranking, o curso de Ciências Econômicas da UFMG é também o curso melhor avaliado pelo mercado no estado de Minas Gerais.

Áreas de atuação

A flexibilidade do currículo permite aos alunos seguirem trajetórias variadas de formação acadêmica de acordo com o interesse particular de cada aluno. Esse pluralismo é uma das marcas do curso, que contribui para a formação de formando profissionais com perfis bastante distintos e com campos de atuação variados como, por exemplo:

  • Empresas do setor privado;
  • Setor público nacional;
  • Organizações multilaterais;
  • Empreendedorismo;
  • Formação acadêmica continuada;

Essas trajetórias são possíveis devido à estrutura do curso. Além da sólida formação teórica e em métodos quantitativos, são oferecidas as seguintes áreas de formação: Desenvolvimento Econômico e Economia Regional; Economia Social e do Setor Público (Economia do Trabalho e Demografia Econômica); História Econômica e Economia Política.

Além disso, o Departamento de Ciências Econômicas efetivamente implementa as políticas de flexibilização horizontal e vertical da UFMG. Assim, o aluno do curso de Ciências Econômicas tem a real possibilidade de complementar o conhecimento oferecido através das disciplinas obrigatórias e optativas do curso com disciplinas dos demais cursos da Faculdade de Ciências Econômicas, como Relações Econômicas Internacionais, Administração de Empresas, Ciências Contábeis e Controladoria e Finanças. Através da formação complementar aberta e formação livre, os alunos podem também frequentar disciplinas dos demais departamentos da UFMG. 

Consequentemente, o bacharel em Ciências Econômicas formado pela UFMG tem uma formação extremamente sólida e flexível, podendo atuar em empresas do setor privado, órgãos públicos, empresas de planejamento, assessoria e consultoria de projetos, institutos de pesquisa econômicas, instituições financeiras, instituições de ensino.  

Corpo docente

Todos os professores e professoras do quadro permanente do Departamento de Ciências Econômicas possuem doutorado ou pós-doutorado em instituições de referência no Brasil e no exterior.

A formação dos professores é bastante diversificada. Além de Economia, o curso contra com professores graduados e pós-graduados em diversas áreas, como por exemplo Economia, História, História Econômica, Relações Internacionais, Sociologia, Geografia, Planejamento Urbano, Demografia, Matemática, Estatística e Física.

Todos são contratados em Regime de Dedicação Exclusiva e, assim, possuem ativa participação na vida universitária da UFMG. 

Os professores conjugam as atividades docentes da graduação com aquelas da pós-graduação (mestrado e doutorado em economia do Cedeplar), orientando dissertações e teses. Além das atividades docentes, os professores e professoras do departamento têm participação de destaque em atividades de pesquisa e extensão em suas áreas de especialidade, como pode ser visto em suas páginas pessoais e nos currículos Lattes (CNPq). 

Finalmente, cabe também aos professores e professoras do departamento a responsabilidade de diversas atividades de gestão acadêmica universitária no âmbito do departamento, dos colegiados de graduação e pós-graduação e em instâncias administrativas da Faculdade de Ciências Econômicas e da própria administração central da UFMG.

O curso conta também com a colaboração professores de outros departamentos da UFMG, como Direito, Ciências Contábeis, Ciência Política, Estatística, História e Matemática.

Oportunidades, bolsas e intercâmbio

Além de poder se integrar à vida universitária da Faculdade de Ciências Econômicas através da participação em seus tradicionais Diretório Acadêmico Francisco Iglésias e Associação Atlética, os alunos do curso de Ciências Econômicas têm várias opções para enriquecer sua formação ao longo do curso. Em relação às bolsas de estudo, existe uma série de oportunidades através do programa de Bolsas de Iniciação Científica, assim como de bolsas de apoio científico de editais de área e universal do CPNq, Capes e FAPEMIG, que têm duração de seis meses a um ano. Além disso, os alunos de segundo e terceiro período têm a chance de participar dos processos seletivos do Programa de Educação Tutorial (PET/Capes), oriundo do antigo Programas de Bolsas da FACE. No PET, o aluno tem a possibilidade de ser bolsista até o final do curso, desde que mantenha alto índice de rendimento acadêmico, além de desenvolver atividades individuais e em grupo. Finalmente, existem oportunidades de bolsa em atividades de extensão, realizadas pelos professores do FACE através do Cenex/FACE.

Além da iniciação à pesquisa e à extensão, outra grande oportunidade de potencializar o aprendizado ao longo do curso de graduação é a participação em programas de intercâmbio internacional. Essa opção é cada vez mais comum no âmbito da UFMG em geral e da Faculdade de Ciências Econômicas, em particular. Através dos programas oferecidos através da Diretoria de Assuntos Internacionais da UFMG, os alunos têm a chance participar de processos seletivos para cursar disciplinas em uma ampla gama de universidades estrangeiras.

Finalmente, cabe ressaltar que os alunos oriundos de famílias com menor poder aquisitivo têm acesso ao amplo apoio da Fundação Universitária Mendes Pimentel (FUMP/UFMG), que além de bolsas, oferece programas de alimentação, moradia universitária, assistência à saúde e material didático.

Estrutura do Curso

Duração de 04 anos

Parte Obrigatória: 5 semestres

Conteúdo:

  • Disciplinas introdutórias: economia e sociedade, economia A
  • Disciplinas instrumentais: matemática, estatística, econometria e contabilidade
  • Disciplinas teóricas: microeconomia, macroeconomia, economia política, desenvolvimento econômico
  • Disciplinas de história: história econômica e história do pensamento econômico
  • Disciplinas aplicadas: economia do setor público, economia social, economia internacional

Parte Optativa: 3 semestres

Nossas disciplinas optativas são organizadas por grupos:

  1. Desenvolvimento Econômico e Economia Regional
  2. Economia Política e História Econômica
  3. Economia Social

No final do curso, o aluno deve ainda fazer as seguintes disciplinas:

  • Metodologia da Economia
  • Técnica de pesquisa
  • Monografia 1 e 2

Formação Complementar

O aluno pode substituir parte da sua carga optativa por disciplinas de outros cursos.

Temos Formação Complementar em:

  • Métodos Quantitativos
  • Ciências Atuariais

O aluno pode solicitar ao Colegiado outros conteúdos para sua Formação Complementar

A versão curricular para os alunos ingressantes a partir de 2010 (2013/1 – antiga 2010/1) contempla os seguintes percursos:

  1. Bacharelado com formação complementar aberta e formação livre
  2. Bacharelado com formação complementar preestabelecida em ciências atuariais e formação livre
  3. Bacharelado com formação complementar preestabelecida em métodos quantitativos e formação livre
  4. Bacharelado e formação livre (padrão)

Bacharelado e formação livre é a opção padrão na qual os calouros são vinculados.

O aluno poderá optar pelos outros percursos a partir do quinto período, bastando fazer a solicitação no Colegiado.

Em todos os percursos, total de créditos a serem integralizados no curso é 200 e o total de horas 3000 (cada crédito equivale a 15 horas)

Forma de integralização de créditos em cada percurso

Em todos os percursos, o total de créditos é dividido entre os seguintes grupos de disciplinas:

  1. Eletivas: disciplinas de qualquer curso da UFMG
  2. Optativas: disciplinas do curso de Ciências Econômicas. O aluno pode optar entre elas qual deseja cursar, mas deve-se cumprir uma carga horária mínima, conforme especificado em cada percurso
  3. Obrigatórias: disciplinas centrais do curso e precisam ser obrigatoriamente cursadas

1- Bacharelado com formação complementar aberta e formação livre:

OBRIGATÓRIAS: 166 créditos

OPTATIVAS: 8 créditos

ELETIVAS (FORMAÇÃO ABERTA E LIVRE): 26 créditos

Na formação aberta o aluno escolhe uma área de interesse como por exemplo História, Administração, Filosofia, Relações Internacionais, etc.

2- Bacharelado com formação complementar preestabelecida em ciências atuariais e formação livre:

OBRIGATÓRIAS: 166 créditos

OPTATIVAS: 8 créditos

ELETIVAS: 4 créditos

GRUPOS DE OPTATIVAS EM CIÊNCIAS ATUARIAIS: 22 créditos

3- Bacharelado com formação complementar preestabelecida em métodos quantitativos e formação livre: 

OBRIGATÓRIAS: 166 créditos

OPTATIVAS: 8 créditos

ELETIVAS: 4 créditos

GRUPOS DE OPTATIVAS EM MÉTODOS QUANTITATIVOS: 22 créditos

4- Bacharelado e formação livre:

OBRIGATÓRIAS: 166 créditos

OPTATIVAS: 30 créditos

ELETIVAS: 4 créditos

A estrutura curricular do curso encontra-se disponível aqui.

O curso de Bacharelado em Controladoria e Finanças da UFMG teve início em 2010 e é oferecido no período diurno, com duração mínima de quatro anos. Anualmente, são oferecidas 50 vagas, com uma entrada anual no primeiro semestre de cada ano.

O curso de Bacharelado em Controladoria e Finanças da UFMG propõe a formação de um profissional com visão multidisciplinar para atuar na área de Controladoria e Administração Financeira das organizações e no Mercado Financeiro (Bolsas de Valores, Bancos e Corretoras) de maneira geral. Engloba uma estrutura curricular que propiciará aos alunos, conhecimentos sólidos de Matemática, Estatística, Contabilidade, Finanças, Administração, Sistemas de Informação, Direito e Economia.

Assim, o primeiro curso de graduação em Controladoria e Finanças no Brasil é oferecido pela UFMG. Este curso busca fornecer aos estudantes ferramentas para lidar com as mais diversas operações envolvendo variáveis financeiras, tanto nas empresas quanto no mercado financeiro. Serão eles os profissionais responsáveis por controlar e analisar os resultados financeiros das empresas, além de atuar em processos de avaliação, planejamento financeiro, orçamentos e gerenciamento de riscos.

O profissional da área de Controladoria e Finanças, no atual estágio do desenvolvimento econômico mundial, e particularmente do Brasil, se torna um agente fundamental. A economia globalizada, formada por empresas e investidores operando em diversos mercados simultaneamente e por mercados financeiros interligados em tempo real, tornou-se tão complexa, que nenhuma formação profissional atual no Brasil é capaz de propiciar uma base de conhecimentos suficientes para a plena compreensão dessa nova realidade financeira das organizações e da economia.

Somam-se a estes fatores a carência de profissionais com esta formação específica, haja vista que muitos profissionais, para atender às necessidades do mercado de trabalho na área de Controladoria e

Finanças, frequentemente tenham de cursar mais de uma graduação, ou busquem uma formação complementar através de cursos de pós-graduação.

Áreas de atuação

O curso de Controladoria e Finanças da UFMG visa preencher uma lacuna sinalizada pelo mercado de trabalho na formação de profissionais ligados à Controladoria e às diversas possibilidades de atuação no ramo das Finanças, aptos a atuar em empresas privadas e instituições financeiras, como também em diversas instituições públicas – tais como agências de regulação e órgãos públicos.

De maneira geral, as perspectivas de mercado de trabalho para o profissional de Controladoria e Finanças são amplas e envolvem as seguintes áreas de atuação: Instituições do Mercado Financeiro (tais como Bancos, Bolsas de Valores e de Derivativos); Investimentos (Corretoras e Fundos de Investimento); Administração Financeira e Controladoria das Empresas; Regulação Financeira (em órgãos tais como CVM, Receita Federal e Banco Central).

Corpo docente

O curso é ministrado por professores de diferentes Departamentos da UFMG. Em sua maioria, são professores ligados ao Departamento de Ciências Administrativas e ao Departamento de Ciências Contábeis da FACE-UFMG, que também lecionam disciplinas dos cursos de pós-graduação.

Estrutura curricular

A matriz curricular do curso está baseada em uma formação ampla, com uma carga significativa de disciplinas de Matemática e Estatística, além de um aprofundamento na área de Contabilidade e Finanças. Todos os alunos ingressantes são matriculados na linha de formação (percurso) “Modelagem Matemática em Finanças” que enfatizará conhecimentos quantitativos de Finanças. Os alunos que assim desejarem poderão fazer opção pela linha de formação (percurso) de “Gestão e Controle Empresarial” que prioriza as áreas de Controladoria e Administração.

Conteúdos curriculares a serem ministrados

Em uma perspectiva abrangente, o curso de graduação em Controladoria e Finanças pretende desenvolver um profissional com formação multidisciplinar, concentrada nas seguintes áreas de conhecimento:

  • Métodos Quantitativos: conhecimentos avançados de matemática, aí incluídos os campos do cálculo, álgebra linear e equações diferenciais, além de conhecimentos em estatística e econometria, com destaque para os conteúdos de probabilidade, inferência e análise de séries temporais; com o objetivo de fornecer uma base sólida para o desenvolvimento de atividades práticas e de pesquisa empírica de fronteira na área de controladoria e finanças;
  • Ciências Gerenciais: conhecimentos avançados de administração financeira, contabilidade, mercado de capitais, microeconomia e macroeconomia, com o objetivo de fornecer o suporte teórico-conceitual para a compreensão do sistema financeiro e das inter-relações entre as variáveis do ambiente empresarial e competitivo moderno.
  • Direito: conhecimentos de direito tributário e das instituições do direito privado, de modo a fornecer o conhecimento necessário das características da legislação societária brasileira e de aspectos legais que envolvem a gestão contábil e financeira das organizações no Brasil.

Linhas de Formação Complementar Pré-Estabelecidas

O curso de Bacharelado em Controladoria e Finanças oferecerá a possibilidade do estudante escolher entre duas linhas de Formação Complementar Pré-estabelecidas além da Formação Complementar Aberta:

  • Linha de Formação em “Modelagem Matemática em Finanças”: Possui uma carga de disciplinas optativas de caráter complementar em Matemática, Estatística e Finanças Quantitativas, com a possibilidade de estudos teóricos e empíricos de caráter transversal e interdisciplinar, envolvendo outras unidades da UFMG, tais como o Instituto de Ciências Exatas – ICEX.
  • Linha de Formação em “Gestão e Controle Empresarial”: Possui uma carga de disciplinas optativas em Administração, Contabilidade e Economia em que o aluno aprofundará seus conhecimentos em Finanças e Controladoria, enfatizando a interface dessa área com as principais áreas correlatas na Faculdade de Ciências Econômicas – FACE/UFMG.

O curso de graduação em Relações Econômicas Internacionais da UFMG é um curso presencial, oferecido no período noturno, com duração mínima de 05 (cinco) anos. Anualmente, são oferecidas 50 vagas com entrada no primeiro semestre. O curso é dirigido por um Colegiado de Coordenação Didática.

Sobre o curso

O curso de Relações Econômicas Internacionais foi criado, em 2010, pelo Departamento de Ciências Econômicas, no âmbito do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (REUNI), com objetivo de formar profissionais capazes de entender e lidar com os desafios da economia integrada globalmente e a crescente inserção internacional do Brasil.

Para alcançar esse objetivo, o Curso propõe uma formação interdisciplinar, pautada no diálogo entre as bases teóricas e conceituais das Ciências Econômicas e das Relações Internacionais. Ao mesmo tempo, oferece uma formação multidisciplinar, mobilizando o instrumental analítico das áreas da Ciência Política, da Demografia, do Direito e da História.

Diante da crescente complexidade das dinâmicas internacionais, o curso reconhece a necessidade de uma sólida formação em economia política internacional e defende a abertura e flexibilidade curricular para a formação articulada a outras áreas de conhecimento.

Avaliação

Em agosto de 2014, o curso passou por sua primeira visita de avaliação in loco do Ministério da Educação e Cultura. O processo de avaliação resultou no reconhecimento do curso com atribuição de conceito 5 - a nota máxima conferida pelo MEC aos cursos de graduação do país. Em seu relatório, a comissão de avaliação do MEC destacou a implementação concreta dos princípios de flexibilização curricular e multidisciplinaridade no âmbito do curso:

"A inovação educacional do curso de Relações Econômicas Internacionais é o seu elevadíssimo grau de transdisciplinaridade e flexibilização, conseguindo mesclar de forma bem-sucedida as áreas de Economia e de Economia Política Internacional em um modelo que aproveita de maneira eficiente a estrutura docente de uma instituição do porte da UFMG. A comissão afirmou ainda que o curso de Relações Econômicas Internacionais é um “exemplo de aplicação bem-sucedida da expansão de atividades e recursos proporcionada pelo programa REUNI".

O curso  foi avaliado em sexto lugar pelo Ranking Universitário Folha (2019), sendo dentre o mais novo entre os 10 mais bem avaliados. 

No primeiro Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), realizado em 2015, o curso obteve conceito 4 (quatro). Dentre os 101 cursos de graduação em Relações Internacionais avaliados pelo Enade, em todo país, o curso da UFMG obteve a 16o (décima sexta) melhor nota contínua. Assim, a obtenção de conceito 4 pelo curso de Relações Econômicas Internacionais, em sua primeira avaliação no Enade, coloca a UFMG em uma posição de destaque na área. .

Além das avaliações realizadas pelo MEC e, em atendimento à Resolução nº 10/2018, de 19 de junho de 2018 da UFMG, o Núcleo Docente Estruturante (NDE) de Relações Econômicas Internacionais realiza anualmente atividades de avaliação do curso, com objetivo de contribuir sistematicamente para o desenvolvimento do perfil profissional do egresso.

Áreas de atuação

Quem optar por essa carreira irá desenvolver conhecimentos sólidos nas áreas de Economia, Relações Internacionais, Direito, Ciência Política, História e Demografia, tendo ainda a possibilidade de expandir sua formação em áreas afins. Aquele que se graduar no curso de Relações Econômicas Internacionais poderá atuar, por exemplo, em órgãos públicos, nas diversas áreas que lidam com processos de integração econômica ou na elaboração, planejamento e execução de acordos bilaterais entre países. No setor privado, esse profissional poderá trabalhar em qualquer empresa que atue no âmbito internacional, seja em multinacionais ou em empresas brasileiras que queiram se internacionalizar e ampliar seus negócios. No terceiro setor, o profissional de Relações Econômicas Internacionais pode atuar nas diversas agendas de interesse dos Organismos Internacionais, tais como meio ambiente, gênero, direitos humanos, migrações e outros.

Infraestrutura

O curso de Relações Econômicas Internacionais é sediado no prédio da Faculdade de Ciências Econômicas, no campus Pampulha da UFMG. Convenientemente localizado entre a Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FAFICH) e o Instituto de Ciências Exatas (ICEx) da UFMG, o edifício da FACE oferece amplo espaço de salas de aula e auditórios. Além disso, os alunos do curso têm acesso a uma biblioteca aberta 24 horas por dia, a laboratórios de informática, além de salas de aula equipadas com microcomputadores, vídeos, aparelhos de televisão e projetores multimídia.

Oportunidades ao longo do curso

Além de poder se integrar à vibrante vida universitária da Faculdade de Ciências Econômicas através da participação em seus tradicionais Diretório Acadêmico Francisco Iglésias e Associação Atlética, os alunos do curso de Relações Econômicas Internacionais têm várias opções para enriquecer sua formação ao longo do curso. No que tange às bolsas de estudos, existe uma série de oportunidades através do programa de Bolsas de Iniciação Científica, assim como de bolsas de apoio científico de editais de área e universal do CPNq, Capes e FAPEMIG, que em geral têm duração de seis meses a um ano. Além disso, os alunos de segundo e terceiro período têm a chance de participar dos processos seletivos do Programa de Bolsas da FACE. Neste programa, o aluno tem a possibilidade de ser bolsista até o final do curso, desde que mantenha alto índice de rendimento acadêmico, além de desenvolver atividades individuais e em grupo. Finalmente, existem oportunidades de bolsa em atividades de extensão, realizadas pelos professores do FACE através do Cenex/FACE.

Além da iniciação à pesquisa e à extensão, outra grande oportunidade de potencializar o aprendizado ao longo do curso de graduação é a participação em programas de intercâmbio internacional. Essa opção é cada vez mais comum no âmbito da UFMG em geral e da Faculdade de Ciências Econômicas, em particular. Através dos programas oferecidos pela Diretoria de Assuntos Internacionais da UFMG, os alunos têm a chance participar de processos seletivos para cursar disciplinas em uma ampla gama de universidades estrangeiras.

Finalmente, cabe ressaltar que os alunos oriundos de famílias com menor poder aquisitivo têm acesso ao amplo apoio da Fundação Universitária Mendes Pimentel (FUMP/UFMG), que além de bolsas, oferece programas de alimentação, moradia universitária, assistência à saúde e material didático.

Corpo docente

O curso é ministrado por professores de diferentes Departamentos da UFMG: Ciências Econômicas, Demografia, História, Ciência Política, Direito Público e Direito do Trabalho e Introdução ao Estudo do Direito. Em sua maioria, são professores ligados ao Departamento de Ciências Econômicas da FACE-UFMG, que também lecionam disciplinas dos cursos de pós-graduação (mestrado e doutorado).

Todos os professores e professoras do quadro permanente que atuam no curso  possuem doutorado ou pós-doutorado em instituições de referência no Brasil e no exterior. A formação dos professores é bastante diversificada. Além de Relações Internacionais, o curso contra com professores graduados e pós-graduados em diversas áreas, como por exemplo Economia, História, História Econômica, Sociologia, Geografia, Planejamento, Demografia, Matemática, Estatística e Física.

Todos são contratados em Regime de Dedicação Exclusiva e, assim, possuem ativa participação na vida universitária da UFMG. 

Os professores conjugam as atividades docentes da graduação com aquelas da pós-graduação (mestrado e doutorado do Cedeplar), orientando dissertações e teses. Além das atividades docentes, os professores e professoras do departamento têm participação de destaque em atividades de pesquisa e extensão em suas áreas de especialidade, como pode ser visto em suas páginas pessoais e nos currículos Lattes (CNPq). 

Finalmente, cabe também aos professores e professoras do departamento a responsabilidade de diversas atividades de gestão acadêmica universitária no âmbito do departamento, dos colegiados de graduação e pós-graduação e em instâncias administrativas da Faculdade de Ciências Econômicas e da própria administração central da UFMG.

Estrutura do Curso

  • Tempo de Integralização mínimo: 10 semestres
  • Tempo de Integralização máximo: 17 semestres
  • Carga horária 3000 horas

A estrutura curricular do curso de Relações Econômicas Internacionais organiza-se em quatro grandes eixos temáticos, em conformidade às diretrizes curriculares nacionais de Relações Internacionais (Resolução nº 4, de 4 de outubro de 2017).

Formação estruturante em Relações Internacionais

Disciplinas obrigatórias: Introdução às Relações Econômicas Internacionais; História das Relações Internacionais Contemporâneas; História do Sistema Econômico Internacional; Introdução à análise política; Teoria de Relações Internacionais; Economia Política Internacional I; Economia Política Internacional II; História da Política Exterior Brasileira; Direito Internacional e Direitos Humanos; Comércio Internacional e Crescimento; Análise de Política Externa e Política Internacional; Segurança, Estudos Estratégicos e Defesa; Economia Política da América Latina; Instituições, regimes e organizações internacionais; Blocos Econômicos e integração regional.

Disciplinas optativas de conteúdo fixo: Introdução aos Estudos Estratégicos, Política Internacional Contemporânea, Relações Internacionais do Brasil, Economia Política da Guerra e da Paz, Política Industrial e Defesa, História e Política da Integração Europeia, Internacionalização da Produção,

Disciplinas optativas de conteúdo variável: Tópicos Especiais em Relações Econômicas Internacionais, que incluem disciplinas presenciais e semipresenciais em temas relacionados às pesquisas dos docentes do corpo permanente da UFMG e visitantes.

Formação Interdisciplinar

Disciplinas obrigatórias: Economia Matemática, Introdução à Ciência Econômica, Contabilidade Social, História Econômica do Brasil, Fundamentos Intelectuais da Economia Política, Economia Política, Análise Microeconômica I, Análise Macroeconômica I, Análise Macroeconômica II, Métodos Quantitativos Aplicados I, Métodos Quantitativos Aplicados II, Economia Brasileira, Dinâmica Demográfica, Mobilidade Espacial Populacional, Teoria dos Jogos e Escolha Pública, Desenvolvimento Econômico, Economia Industrial, Finanças Internacionais e Desenvolvimento, Economia Monetária e Finanças Internacionais I, Economia Monetária e Finanças Internacionais II e Sistemas Econômicos Comparados.

Disciplinas optativas de conteúdo fixo: Economia da Ciência e Tecnologia, Política Brasileira I, Introdução à Teoria Democrática, Estado Moderno e Capitalismo, Instituições Políticas Comparadas, Análise de Políticas Públicas, Estado e Políticas Sociais, Política, Economia e Sociedade no Brasil, Gestão de Projetos e Empreendimentos Públicos, Instituições e Estratégicas Políticas, Gestão Pública com Foco em Direitos Humanos, Metodologia da Economia, Sistema de Indicadores Socioeconômicos, Economia do Meio Ambiente, História e Interpretação da Sociedade Contemporânea, História da Ciência e da Técnica, História do Brasil III, História Contemporânea I, História do Brasil IV, História das Ideias Políticas e Sociais, História Contemporânea II.

Disciplinas optativas de conteúdo variável: Tópicos em História II, Tópicos em História IV, Tópicos Especiais em Demografia Internacional, Tópicos em Direito Internacional Público, Tópicos em Política, Tópicos em Estudos Estratégicos

Formação voltada à atividade profissional

Disciplinas obrigatórias: Técnicas de Pesquisa e Monografia, que possibilitam ao estudante a iniciação profissional em atividades de pesquisa.

Disciplinas optativas de conteúdo fixo: Análise de Conjuntura Internacional, Elaboração de Projetos para Cooperação Internacional, Internacionalização da produção, Análise de dados multivariados, Séries Temporais, Microeconometria, Macroeconometria, Fundamentos de Libras

Disciplinas optativas de conteúdo variável: Tópicos Especiais em Extensão, Tópicos em Formação Avançada.

Formação complementar em atividades de caráter transversal e interdisciplinar

Disciplinas de formação livre: Incluem disciplinas que não fazem parte da versão curricular do curso e podem ser cursadas em outros cursos da UFMG. Também incluem os percursos de formação transversal ofertadas pela UFMG em diferentes temáticas.

Aproveitamento de créditos de atividades extracurriculares: Grupo de Estudos, Sistema de Bolsas ou Pronoturno, Publicação de Trabalho Acadêmico, Iniciação à Pesquisa, Iniciação à Docência, Projetos de Extensão, Participação em Eventos, Estágio Supervisionado

Formação Complementar Aberta: Refere-se a uma sequência de disciplinas optativas a ser cursada em outro curso da UFMG mediante autorização do colegiado do Curso.

Formação Complementar Preestabelecida em “Teorias e Métodos em Ciências Econômicas”: Microeconomia A-II, Microeconomia A-III, Macroeconomia II, Macroeconomia III, Macroeconomia A-IV, Economia Social I, Economia do Setor Público, Econometria II, Econometria I

Percursos

Existem três percursos vigentes no Curso de Relações Econômicas Internacionais.

Percurso 1 – Bacharelado/ Formação Livre

  • Disciplinas obrigatórias: 2370 horas
  • Disciplinas optativas: 510 horas
  • Formação Livre: 120 horas

Percurso 2 – Bacharelado/ Formação Complementar Aberta/ Formação Livre

  • Disciplinas obrigatórias: 2370 horas
  • Disciplinas optativas: 210 horas
  • Formação Livre: 60 horas
  • Formação Complementar Aberta: 360 horas

Percurso 3 – Bacharelado/ Formação Complementar Preestabelecida em “Teorias e Métodos em Ciências Econômicas”/ Formação Livre

  • Disciplinas obrigatórias: 2370 horas
  • Disciplinas optativas: 210 horas
  • Formação Livre: 60 horas
  • Formação Complementar Preestabelecida: 360 horas